GRAVIDEZ DE ALTO RISCO: ADAPTAÇÃO PSICOLÓGICA DE GESTANTES

Marília Leyenn Fernandes de Santana Silva, Gabriel Arruda de Souza Fernandes, Jaalla Fúlvia Pereira da Silva, Edla Nery Bezerra, Filipe Souza Lemos, Tatiane Gomes Guedes

Resumo


Introdução: No período gestacional ocorrem transformações fisiológicas, sociais e psicológicas na mulher, enfatizadas pela exacerbação da sensibilidade feminina, tornando-a suscetível a diversos distúrbios emocionais, dentre eles depressão e ansiedade, os quais podem alterar o vínculo materno-fetal. A mulher tendo sua gravidez caracterizada como alto risco, apresenta mais dificuldade para adaptar-se emocionalmente. Objetivo: identificar as formas de adaptação psicológica das mulheres com gravidez de alto risco. Método: Realizou-se uma revisão bibliográfica da literatura na base de dados LILACS e na biblioteca virtual SCIELO, utilizando os descritores "Gravidez de alto risco, Adaptação Psicológica e Saúde da Mulher. Foram encontrados 30 artigos. Foram incluídos artigos publicados no período de 2006 a 2014, com o texto completo e no idioma português e espanhol, totalizando 10. Após a leitura dos artigos na íntegra, 3 estudos compuseram a amostra da presente revisão bibliográfica. Resultados: Aproximadamente 20% das gestantes compõem o grupo de alto risco, elas apresentam sentimentos de impotência, desespero, baixa auto estima, algumas relatam utilização de drogas para aliviar o sentimento de culpa e também se preocupam com a possível condição de vida diferenciada do seu filho, marcada pelas limitações, cuidados especiais e preconceitos. Outra forma de superar as adversidades encontradas neste tipo de gestação é a psicoterapia que possibilita atender um maior número de pacientes em curto período de tempo, proporcionando para essas mulheres a expansão da consciência, fortalecendo suas funções do ego e capacidade de lidar com mudanças de vida. Vale salientar, que a enfermagem pode atuar auxiliando o médico durante o pré-natal e também promovendo uma assistência completa a outros tipos de atividades, por exemplo, a educação em saúde, de acordo com o contexto socioeconômico-cultural de cada mulher. Conclusão: Diante do estudo, foi possível concluir que uma das formas de enfrentamento psicológico mais utilizadas pelas mulheres em gravidez de alto risco é a psicoterapia. Através dela, ocorrem reuniões em grupo acompanhadas por psicólogos que objetivam cuidar da saúde mental feminina, de acordo com as mudanças psicológicas ocorridas a cada trimestre da gravidez e no pós-parto, se necessário. Também é válido salientar a necessidade de orientar os casais sobre o planejamento familiar e pré-natal, prevenindo a gravidez de alto risco.

Texto completo:

PDF


1) UnG - Universidade Guarulhos 2) Indexador: Latindex 3) Indexador: Dialnet