PREVALśNCIA DO TRAUMATISMO DENTÁRIO EM ADOLESCENTES ENTRE 15-19 ANOS

PREVALENCE OF DENTAL TRAUMA IN ADOLESCENTS AGED 15-19

 

Brito AS*, Carvalho B**, Heimer M***, Vieira S****, Colares V*****

 

RESUMO: O objetivo deste estudo foi determinar a prevalźncia de traumatismo dentário em adolescentes brasileiros entre 15-19 anos, através da pesquisa bibliográfica nas bases de dados Pubmed e BVS (MEDLINE) dos últimos 5 anos. O presente trabalho investigou estudos de prevalźncia que possuíam uma metodologia clara e de possível reprodućčo. Os critérios de inclusčo para a selećčo dos estudos foram: artigos que abordassem a prevalźncia de traumatismo dental em adolescentes de 15 a 19 anos e artigos que, em seus resumos, descrevessem a metodologia detalhadamente. Após a leitura dos resumos (104), 12 artigos foram selecionados para o desenvolvimento deste trabalho. O levantamento bibliográfico revelou uma variaćčo na prevalźncia do traumatismo dentário entre 3,16% e 21,4%. O levantamento bibliográfico realizado revelou que os principais fatores associados ao traumatismo dentário nessa faixa etária sčo as quedas diversas, seguidas de pancadas, acidentes automobilísticos, traumatismos na prática esportiva, além das agressões. Verificou-se uma falta de padronizaćčo na faixa etária das pesquisas, dificultando aćões de prevenćčo para o traumatismo dentário em idades especificas. Faz-se necessário a definićčo de uma política de promoćčo de saúde que considere o traumatismo dentário.

PALAVRAS-CHAVE: Traumatismo dentário. Adolescentes. Prevalźncia.

 

ABSTRACT: The aim of this study was to determine the prevalence of dental trauma among adolescents aged 15-19, through the literature search in PUBMED and VHL (MEDLINE) over the last five years. Methodology: This study examined the prevalence studies that had a clear methodology and possible reproduction. Inclusion criteria for selecting studies were: articles that addressed the prevalence of dental trauma in adolescents 15-19 years and items that, in their summary, described the methodology in detail. Results: After reading the abstracts (104), 12 articles were selected for this work. The literature review revealed a variation in the prevalence of dental trauma between 3.16% and 21.4%. The literature review revealed that the main factors associated with dental trauma in this age group are falls, followed by several strokes, car accidents, and injuries in sports, in addition to the attacks. Conclusion: There was a lack of standardization in the age range of research, hindering prevention actions for dental trauma at specific ages. It is necessary to define a policy for health promotion that considers dental trauma.

KEY-WORDS: Tooth injuries. Adolescents. Prevalence.

 



INTRODUāŐO

 

     Lesões traumáticas dentais sčo comuns e tźm se tornado um grave problema de saúde pública na infČncia1.

     Embora hoje em dia os traumas dentais sejam a segunda principal causa, depois das cáries, da abordagem odontológica, em um futuro muito próximo a incidźncia de lesões traumáticas constituirčo a principal demanda de atenćčo2.

     Os traumatismos dentários sčo comuns nos adolescentes em idade escolar e a sua prevalźncia diminui com o aumento da idade3-5.

     Nos jovens, as causas mais comuns sčo as quedas diversas seguidas de pancadas, acidentes automobilísticos, traumatismos na prática esportiva, além das agressões2,5. Ocorrem em uma frequźncia maior em escolares do sexo masculino, provavelmente por serem mais ativos e realizarem atividades físicas mais fortes, como esportes de contato físico sem a protećčo apropriada e brincadeiras rudes, como lutas e outras, utilizando brinquedos e equipamentos com maior potencial de risco. No entanto, esta diferenća vem caindo e isto se deve ą maior participaćčo das mulheres em atividades consideradas até algum tempo exclusivas dos homens6,7.

     Alguns fatores anatômicos aumentam a susceptibilidade ąs injúrias dentais e sčo considerados fatores predisponentes, dentre eles estčo a maloclusčo de classe II de Angle, o overjet acentuado, a mordida aberta, a cobertura labial inadequada e a respiraćčo bucal6,8.

     Vale salientar que os traumas dentários, principalmente aqueles que envolvem os dentes anteriores, influenciam a funćčo e a estética do indivíduo, afetando seu comportamento e auto-estima5.

     Faz-se necessário, portanto, que haja uma divulgaćčo da abordagem preventiva e educativa sobre os traumatismos dentários, especialmente em instituićões escolares, conscientizando os educadores a esse respeito7.

     Desta forma, o objetivo deste estudo foi determinar, através de uma revisčo bibliográfica, a prevalźncia de traumatismo dentário entre adolescentes de 15 a 19 anos.

 

METODOLOGIA

 

     Com o objetivo de realizar uma revisčo sistematizada de publicaćões que abordaram a temática do traumatismo dentário em odontologia, foi realizada uma busca nas bases de dados Pubmed e com as palavras-chaves: “tooth injuries”, “adolescents” e “prevalence” e BVS (biblioteca virtual de saúde) utilizando os descritores: “traumatismo dentário” e “Adolescente” e o qualificador “prevalźncia” combinadas através do operador booleano AND. O limite utilizado na busca foi o idioma do artigo, sendo selecionados apenas aqueles em portuguźs, inglźs e espanhol e que foram publicados nos últimos 5 anos.

     Os critérios de inclusčo para a selećčo dos estudos foram: estudos que abordassem a prevalźncia de traumatismo dental em dentes permanentes, adolescentes entre 15 e 19 anos de idade e artigos que em seus resumos descrevessem a metodologia detalhadamente.

     Os artigos foram avaliados de forma independente por dois avaliadores (BC e AS). A partir do resultado da busca, os artigos foram selecionados de acordo com os critérios de inclusčo. Em uma segunda etapa, a selećčo dos artigos foi refinada com a avaliaćčo dos resumos (abstract) daqueles previamente selecionados. O texto completo de cada artigo considerado para a inclusčo foi obtido.

     Na etapa seguinte, os dois autores avaliaram a qualidade dos artigos selecionados, utilizando os critérios de avaliaćčo de uma forma padronizada. Os estudos que preencheram os critérios estabelecidos foram considerados para o final da análise. Qualquer divergźncia em relaćčo ą coleta de dados realizada por cada avaliador foi resolvida através da discussčo entre os mesmos, baseada em uma fundamentaćčo teórica para estabelecer um consenso.

 

RESULTADOS

 

     A partir da busca realizada, um total de 207 artigos foi encontrado. Após a análise dos critérios de inclusčo já estabelecidos e excluindo-se os artigos repetidos, 104 resumos foram lidos. A partir dos resumos lidos, foram excluídos os artigos cujos procedimentos metodológicos nčo eram descritos detalhadamente e a faixa etária nčo correspondia ao objetivo. Assim, foram selecionados para este estudo 12 artigos, sendo 6 do banco de dados Pubmed e 6 do BVS. No quadro 1 encontram-se os artigos selecionados para esta revisčo de literatura.

     Pesquisou-se 6020 prontuários de pacientes atendidos na emergźncia da clinica odontológica da Universidade de Bauru (SP), em 2001 e 2002, e constataram que a prevalźncia de trauma na faixa etária compreendida entre 0 a 15 anos foi de 17,06%. Na idade entre 13 e 15 anos a prevalźncia de trauma foi de 9%. Os mesmos autores afirmaram ainda que houve uma diminuićčo na prevalźncia do traumatismo dentário com aumento da idade9.

     Realizou-se, no Canadá, uma pesquisa através do telefone de maneira aleatória com 2001 adultos entre 18 e 50 anos de idade. Dos entrevistados, 15,5% relataram já ter sofrido algum tipo de traumatismo dentário e o sexo masculino foi mais acometido que o feminino. Na faixa etária de 18 a 24 anos a prevalźncia de traumatismo dentário foi de 18,5%. Observou-se uma redućčo na prevalźncia de traumatismo dentário com o aumento da idade10.

     Lin et al. investigaram 111.010 pacientes internados em um hospital em Israel, e concluíram que 5,3% da amostra haviam sofrido algum tipo de traumatismo dentário. A amostra foi avaliada por faixa etária e, para a faixa etária de 10 a 18 anos, a prevalźncia foi de 12,6%, enquanto na faixa etária de 19 a 28 anos foi de 16%. Os autores também verificaram que a prevalźncia do traumatismo dentário foi maior entre 0-9 anos e após 59 anos de idade11.

     Em 2006, realizou-se uma pesquisa entre praticantes de esportes de luta entre 17 e 27 anos. Os autores encontraram uma prevalźncia de trauma de 22,3%12.


 

Quadro 1 - Distribuićčo dos trabalhos selecionados de acordo com a prevalźncia de traumatismo dentário.

AUTORES

ANO

LOCAL

AMOSTRA

n

FAIXA ETÁRIA

(anos)

PREVALśNCIA

%

Cecconello & Traebert6

2007

Brasil

196

11-16

13,2

Levin et al.13

2007

Israel

427

18-21

16,9

Gulinelli et al.15

2008

Brasil

834

11-15

16-20

12

20,3

Gopinath et al.14

2008

Malásia

488

16

13,4

Huang et al.16

2009

Taiwan

6312

15

16

17

18

15-18

18,6

20,4

21,4

17,4

19,9

Ajayi et al.17

2009

Nigéria

1532

12-19

10,8

Sakai et al.9

2005

Brasil

6.020

0-15

17,06

Locker D10

2007

Canadá

2.001

18-50

15,5

Lin et al.11

2008

Israel

111.010

0-59

5,3

Stewart et al.18

2009

Estados Unidos

100.000

0-17

3,16

Tulunoglu & Ozbek12

2006

Turquia

274

17-27

22,3

Eyuboglu et al.19

2009

Turquia

13.480

1-15

4,9

Bases de dados Pubmed e BVS (2005-2010)

 


     Analisaram-se escolares do sul do Brasil, na faixa etária de 11 a 16 anos, no período de 2001 a 2004, observaram que a taxa de prevalźncia de traumatismo dental foi de 13,2%. Os autores nčo descrevem a prevalźncia de trauma por idade, apenas por faixa etária6.

     Ao pesquisarem a ocorrźncia e as causas das lesões orais e dentais em uma populaćčo jovem de Israel durante a infČncia e adolescźncia observaram que a prevalźncia de trauma dental em indivíduos com idades entre 18 a 21 anos foi de 16,9%. Os autores nčo elucidaram a prevalźncia de traumatismo dentário por idade13.

     Em estudo transversal realizado na Malásia, envolvendo 488 adolescentes de 16 anos de idade, observou-se uma prevalźncia de trauma de 13,4% e o incisivo central superior foi o elemento dental mais acometido14.

     Ao analisar 834 pacientes internados no Servićo de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial da Faculdade de Odontologia de Araćatuba (UNESP, Brasil), observou-se que entre 11 e 15 anos a prevalźncia de trauma foi de 12% e que na faixa etária entre 16 e 20 anos, 20,3% apresentavam lesčo dental, sendo a maioria pertencente ao sexo masculino15.

     Depois de avaliar uma amostra aleatória de estudantes de 15 a 18 anos de Taiwan, observaram que a prevalźncia de traumatismos dental foi de 19,9%, onde os principais eventos relacionados ao trauma foram esportes e atividades de lazer, sendo os indivíduos do sexo masculino os mais acometidos. Os autores verificaram que aos 15 anos a prevalźncia foi de 18,6%, aos 16 foi de 20,4%, aos 17 anos foi de 21,4% e aos 18 anos foi de 17,4%16.

     Pesquisou-se em 1532 escolares na Nigéria, com idades entre 12 e 19 anos, e concluíram que a prevalźncia de trauma dental nesse grupo foi de 10,8%. Nesse estudo os autores constataram ainda que a causa mais comum de traumatismo foi queda e o elemento dental mais comumente acometido foi o incisivo central superior. Os autores nčo descreveram a prevalźncia de traumatismo dentário por idade17.

     Após uma análise retrospectiva dos dados do National Electronic Injury Surveillance System, entre 1990 e 2003, os autores encontraram uma prevalźncia de trauma dental de 3,16%, em uma amostra de 100.000 habitantes, na faixa etária de 0 a 17 anos, tratados nos departamentos de emergźncia dos Estados Unidos18.

     Após avaliar 13.480 crianćas de 1 a 15 anos na Turquia em um período de 6 anos constataram que a prevalźncia de traumas dentais foi de 4,9% e o sexo masculino foi mais acometido do que o sexo feminino19.

 

DISCUSSŐO

 

     De acordo com os estudos revisados, a prevalźncia de traumatismo dentário na dentićčo permanente variou de 3,16% a 22,3%. Vários sčo os fatores que podem ser levados em consideraćčo para se explicar essa grande variaćčo na prevalźncia, tais como o critério de classificaćčo utilizado, a faixa etária abordada, local onde foi realizada a pesquisa6,11,14,15.

     Em relaćčo aos dois estudos realizados na Turquia12,19, a grande divergźncia observada nas prevalźncias deve-se, provavelmente, a variaćčo das amostras utilizadas. Destaca-se a grande diferenća no tamanho amostral e na faixa etária avaliada, uma vez que no estudo12 a amostra foi composta por 274 indivíduos entre 17 e 24 anos. Já em outro estudo19 a amostra foi composta por 13.480 indivíduos na faixa etária de 1 a 15 anos.

     Da mesma forma, o índice de desenvolvimento humano também pode ser considerado na avaliaćčo da divergźncia das prevalźncias observada em outros estudos. Países com desenvolvimento humano elevado possuem políticas preventivas de saúde mais eficazes em relaćčo a países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. O que explicaria, por exemplo, a pesquisa no Brasil9, onde foi encontrada uma prevalźncia de 17,06%, na faixa etária de 0 a 15 anos. No entanto, encontraram nos Estados Unidos, um país desenvolvido, uma prevalźncia de 3,16%, em uma faixa etária semelhante, 0 a 17 anos18.

     Quando comparamos os estudos realizados em Israel11 e o estudo realizado nos Estados Unidos18, observa-se prevalźncias relativamente próximas, 5,3% e 3,16%, respectivamente. Ambos sčo países com índice de desenvolvimento elevado e as amostras foram parecidas, 111.010 e 100.000, respectivamente. Em Israel11, o maior índice de trauma ocorreu na idade de 10 a 18 anos. Já nos Estados Unidos18, a maior prevalźncia ocorreu na faixa etária entre 0 - 9 anos.

     O gźnero masculino foi mais acometido por traumatismo do que o gźnero feminino10-12,18. Esses resultados podem ser explicados pelo fato de os meninos praticarem mais atividades esportivas do que as meninas12. Ressalta-se ainda que na adolescźncia é muito comum os meninos se envolverem em incidentes violentos12,19

     De acordo com alguns dos estudos avaliados12,15, queda foi a causa mais comum de traumatismo dentário. Alguns autores6,9,15 também referiram que os incisivos centrais superiores sčo os dentes mais acometidos por traumatismo e que as fraturas coronárias sčo os principais tipos de trauma em dentes permanentes.

 

CONSIDERAāÕES FINAIS

 

     A prevalźncia de traumatismo dentário entre adolescentes de 15 a 19 anos variou de 3,16% a 22,3%. Faz-se necessário a definićčo de uma política de promoćčo de saúde que considere o traumatismo dentário, visto que atualmente os traumas dentais sčo a segunda principal causa de necessidade de tratamento dentário depois das cáries.

 

REFERśNCIAS

 

1.   Bendo CB, Scarpelli AC, Vale MPP, Zarzar PMPA. Correlation between socioeconomic indicators and traumatic dental Injuries: a qualitative critical literature review. Dent Traumatol. 2009;25:420–425.

2.   García-Ballesta C, Pérez-Lajarín L, Castejón-Navas I. Prevalencia y etiología de los traumatismos dentales. Una revisión. RCOE. 2003;8(2):131-141.

3.   Amorim NA, Silva TRC, Santos LM, Tenório MDH, Reis JIL. Urgźncia em Odontopediatria: Perfil de Atendimento da Clínica Integrada Infantil da FOUFAL. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2007;7(3): 223-227.

4.   Locker D, Grushka M. The impact of dental and facial pain. J Dent Res. 1987; 66:1414-7.

5.   Vasconcellos RJH, Marzola C, Genú PR. Trauma Dental – Aspectos Clínicos e Cirúrgicos. Rev Odont Acad Tiradentes Odont 2006;6:774-796.

6.   Cecconello R, Traebert J. Traumatic dental injuries in adolescents from a town in southern Brazil: a cohort study. Oral Health Prev Dent. 2007;5:321-6.

7.   Souza-Filho FJ, Soares AJ, Gomes BPFA, Zaia AA, Ferraz CCR, Almeida JF. Avaliaćčo das injúrias dentárias observadas no Centro de Trauma. Dental da Faculdade de Odontologia de Piracicaba – Unicamp. RFO. 2009;14(2):111-6.

8.   Forsberg CM, Tedestam G. Etiological and predisposing factors related to traumatic injuries to permanent teeth. Sweden Dent J. 1993;17:183-190.

9.   Sakai VT, Magalhčes AC, Pessan JP, Silva SMB, Machado MAAM. Urgency treatment profile of 0 to 15 year-old children assisted at urgency dental service from Bauru Dental School, University of Sčo Paulo. J Appl Oral Sci. 2005;13(4):340-344.

10. Locker D. Self-reported dental and oral injuries in a population of adults aged 18–50 years. Dent Traumatol. 2007;23:291-296.

11. Lin S, Levin L, Goldman S, Peleg K. Dento-alveolar and maxillofacial injuries: a 5-year multi-center study. Part 1: General vs facial and dental trauma. Dent Traumatol. 2008;24(1):53-5.

12. Tulunoglu I, Özbek M. Oral trauma, mouthguard awareness, and use in two contact sports in Turkey. Dent Traumatol. 2006; 22(5):242-246.

13. Levin L, Samorodnitzky GR, Schwartz-Arad D, Geiger SB. Dental and oral trauma during childhood and adolescence in Israel: occurrence, causes, and outcomes. Dent Traumatol. 2007;23:356-9.

14. Gopinath VK, Ling KT, Haziani KN, Ismail NM. Predisposing factors and prevalence of fractured anterior teeth among 12 and 16 years old school Malaysian children. J Clin Pediatr. 2008;3:39-42.

15. Gulinelli JL, Saito CT, Garcia-Júnior IR, Panzarini SR, Poi WR, Sonoda CK, Jardim EC, Faverani LP. Occurrence of tooth injuries in patients treated in hospital environment in the region of Araćatuba, Brazil during a 6-year period. Dent Traumatol. 2008;24:640-4.

16. Huang B, Marcenes W, Croucher R, Hector M. Activities related to the occurrence of traumatic dental injuries in 15- to 18-year-olds. Dent Traumatol. 2009; 25:64-8.

17. Ajayi MD, Denloye O, Abiodun Solanke FI. The unmet treatment need of traumatized anterior teeth in selected secondary school children in Ibadan, Nigeria. Dent Traumatol. 2010;26(1):60-3.

18. Stewart GB, Shields BJ, Fields S. Comstock RD, Smith GA. Consumer products and activities associated with dental injuries to children treated in United States emergency departments, 1990–2003. Dent Traumatol 2009;25(4):399-405.

19. Eyuboglu O, Yilmaz Y, Zehir C, Sahin H. A 6-year investigation into types of dental trauma treated in a paediatric dentistry clinic in Eastern Anatolia Region, Turkey. Dent Traumatol. 2009;25:110-114.


 



* Ágata Sabine Brito- Cirurgič-Dentista, Faculdade de Odontologia de Pernambuco- FOP- UPE, Camaragibe, Brasil. e-mail: sabine_brito@hotmail.com

** Bruno Carvalho- Especialista em ortodontia. Mestrando em odontologia, área de concentraćčo odontopediatria, na Faculdade de Odontologia de Pernambuco- FOP- UPE, Camaragibe, Brasil. e-mail: brunocebola@hotmail.com

*** Mônica Heimer- Doutora em Odontopediatria, Faculdade de Odontologia de Pernambuco- FOP- UPE, Camaragibe, Brasil. e-mail: monica@heimer.com.br

***** Viviane Colares- Pró-Reitora da Universidade de Pernambuco, doutora em odontopediatria. Professora Adjunta da Disciplina de Odontopediatria da FOP-UPE, Camaragibe, Brasil. e-mail: vivianecolares.upe@gmail.com



1) UnG - Universidade Guarulhos 2) Indexador: Latindex 3) Indexador: Dialnet