INSTRUMENTOS UTILIZADOS NO BRASIL PARA AVALIAR QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CŚNCER DE CABEāA E PESCOāO

INSTRUMENTOS UTILIZADOS NO BRASIL PARA AVALIAR QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CŚNCER DE CABEāA E PESCOāO: REVISŐO INTEGRATIVA

 

INSTRUMENTS USED TO MEASURE QUALITY OF LIFE IN PATIENTS WITH HEAD AND NECK CANCER IN BRAZIL: AN INTEGRATIVE LITERATURE REVIEW

 

INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA MEDIR LA CALIDAD DE VIDA EN PACIENTES CON CÁNCER DE CABEZA Y CUELLO EN BRASIL: REVISIÓN INTEGRADORA

 

 

Menezes RM*, Ferreira KASL**, Souza LM***, Barros HLA****, Pessanha MJP*****

 

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi identificar os instrumentos utilizados para medir qualidade de vida(QV) em pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo(CCP) no Brasil. Como método utilizou uma revisčo integrativa de estudos brasileiros publicados em portuguźs até outubro-2009 e que avaliaram QV de pacientes com CCP. Foram identificados 2125 estudos, sendo 11 incluídos. Foram utilizados seis instrumentos, sendo um genérico (WHOQOL-bref). Entre os específicos os mais utilizados foram o UW-QOL, o EORTC-H&N-35 e o EORTC-QLQ-c30, sendo este último genérico para pacientes com cČncer, e os dois primeiros específicos para CCP. Alguns instrumentos específicos foram utilizados em apenas um único estudo, a exemplo do FACT-H&N e SWAL-QOL. No Brasil os instrumentos mais utilizados para avaliaćčo da QV em CCP foram EORTC QLQ-c30, UW-QOL e EORTC–H&N35.

PALAVRAS-CHAVE: cČncer de cabeća e pescoćo, neoplasias faríngeas, neoplasias bucais, neoplasias da glČndula tireóide, qualidade de vida.

 

ABSTRACT: The aim of this study was o identify the instruments used to measure quality of life (QOL) in patients with head and neck cancer (HNC) in Brazil. As method it was used an integrative literature review of Brazilian studies published in Portuguese until October-2009 and that evaluated QOL of patients with HNC. It was identified 2125 studies, 11 included. Six instruments had been used, and one of this was a generic instrument (WHOQOL-bref). Among the specific ones, the most used was the UW-QOL, the EORTC-H& N-35, and the EORTC-QLQ-c30. The last is a generic questionnaire to evaluate QOL of patients with cancer. The two first were specific ones for HNC. Some specific instruments were used in only one study, the example of the FACT-H& N and SWAL-QOL. The most used instruments in Brazil for evaluation of the QOL in HNC were EORTC QLQ-C30, UW-QOL, and EORTC-H & N35.

KEYWORDS: head and neck cancer, pharyngeal neoplasms, mouth neoplasms, thyroid neoplasms, quality of life.

 

RESUMEN: Identificar los instrumentos utilizados para medir la calidad de vida (CV) en pacientes con cáncer de cabeza y cuello (CCC) en Brasil. Revisión integradora de los estudios brasileĖos publicados en portugués hasta octubre de 2009 y que evaluaron CV de pacientes con CCC. Fueron identificados 2125 estudios, de los cuales 11 inclusos. Fueron utilizados seis instrumentos, siendo un genérico (WHOQOL – bref). Entre los específicos los mais utilizados fueron el UW-QOL, el EORTC-H&N-35 y el EORTC-QLQ-c30, siendo este último genérico para pacientes con cáncer y los dos primeros específicos para CCC. Algunos instrumentos específicos fueron utilizados en sólo un único estudio, como el ejemplo del FACT-H&N y SWAL-QOL. En Brasil, los instrumentos más utilizados para la evalución de la CV en CCC fueron EORTC-QLQ-c30, UW-QOL y EORTC-H$N35.

DESCRIPTORES: cáncer de cabeza y cuello, neoplasias faríngeas, neoplasias de la boca, neoplasias de la tiroides, calidad de vida.

 

 

1. INTRODUāŐO

 

No Brasil, as estimativas para o ano de 2010, válidas também para o ano de 2011, apontam que ocorrerčo 489.270 casos novos de cČnceres 1. Os cČnceres de cabeća e pescoćo (CCP) ocupam o segundo lugar em alguns estados brasileiros, respondendo por 10,7 a 12,5% de todos os tumores tratados no sistema único de saúde 2, 3. Dentre esses cČnceres, os tumores da cavidade oral serčo diagnosticados em 2010 em mais de 10.330 homens e 3.790 mulheres 1.

Os CCP incluem tumores que afetam lábios, cavidade oral, orofaringe, nasofaringe, hipofaringe, laringe, fossa nasal, sinus paranasais, tireóide, glČndulas salivares e quimiodectomas (tumores nasais nas áreas quimiorreceptoras) 4.

Nos pacientes com CCP o impacto dos tratamentos e da doenća podem ser maiores que em outros tipos  de tumores, devido ąs características mutilantes e desfigurantes desses tratamentos, bem como as alteraćões funcionais, estčo associados ą diminuićčo da autoestima desses pacientes, por incapacitar as funćões vitais como: comer, deglutir, falar e inclusive sua  sexualidade. A agressividade e o risco de ocorrźncias de tumores secundários também sčo colaboradores para diminuićčo da autoestima 5. Além disso, ocorre também um prejuízo no contato social devido ą perda da voz e muitas vezes devido ao uso de traqueostomia 6. Estas mudanćas podem resultar em diminuićčo da qualidade de vida dos indivíduos com CCP.

Com os avanćos na detecćčo precoce e tratamentos tem-se observado aumento da sobrevida dos pacientes com cČnceres, estando atrelada de maneira muito intensa a qualidade de vida (QV) 7, 8

A QV é um construto multidimensional e abstrato, de avaliaćčo individual ou coletiva, podendo esta ser avaliada por instrumentos ou questionários de forma genéricos ou específicos 9.     

Os instrumentos Genéricos nčo avaliam uma patologia específica, mas um todo, sem acepćčo de raća, idade, sexo ou grupo, utilizando questionário para o levantamento e comparaćčo de indivíduos com diferentes patologias 10-12. Já os específicos avaliam de forma concreta, com uma margem mínima de viés, grupos específicos de pacientes que apresentam em comum algum tipo de patologia, agravo, sexo, faixa etária, etc. Esses instrumentos sčo mais indicados para medir o impacto de intervenćões na qualidade de vida relacionada ą saúde (QVRS) em ensaios clínicos e na prática clínica, tendo como vantagem a capacidade de detectar particularidades da QV em determinadas situaćões, obtendo uma avaliaćčo individual e específica dos aspectos de QV, tais como mudanćas nas funćões físicas, emocional, sexual, dor, fadiga e outros sintomas 10, 11, 13.

A avaliaćčo da QVRS é importante e deve ser realizada nčo apenas em pesquisa, mas na prática clinica diária como um indicador de resposta a tratamentos e para o aprimoramento do cuidado. Esta avaliaćčo é diretamente afetada por características intrínsecas de cada indivíduo, tais como suas crenćas, expectativas e experiźncias. Dessa forma, a QV deve ser avaliada pelo paciente e nčo pelo profissional de saúde, sendo esta uma ferramenta que permite aos profissionais identificar e priorizar qual o domínio da QV é mais importante para o paciente 14. Desse modo, é importante identificar quais instrumentos que melhor se ajustam a estes objetivos.

Os instrumentos disponíveis sčo em sua maioria de língua inglesa 14, e para serem utilizados no Brasil precisam ser traduzidos e validados, o que pode levar algum tempo. Desse modo, para selecionar um instrumento para uso clínico é importante identificar quais estčo disponíveis em língua portuguesa e tźm sido mais frequentemente utilizados.  

No Brasil, nčo se identificou estudos que tenham levantado quais instrumentos tźm sido utilizados para avaliar QVRS em pacientes com CCP e se estes foram validados. Foi identificado apenas um estudo nacional de revisčo que descreveu características de trźs instrumentos específicos para pacientes com CCP, que foram considerados pelos autores como os mais utilizados no mundo e que estčo traduzidos ou validados para o Brasil 15. Desse modo, o presente estudo teve como objetivo identificar na literatura os instrumentos que tźm sido utilizados no Brasil para avaliar qualidade de vida em pacientes com cČnceres de cabeća e pescoćo.

 

 

2. MÉTODO

Foi realizada uma revisčo integrativa dos estudos publicados até outubro 2009, nas bases citadas na Tabela 1. A revisčo foi realizada em seis etapas: 1) Formulaćčo da questčo de pesquisa, 2) Busca na literatura: localizaćčo e selećčo dos estudos, 3) Categorizaćčo dos estudos e extraćčo das informaćões, 4) Análise dos estudos incluídos, 5) Interpretaćčo dos resultados: análise sistemática e 6) Síntese e interpretaćčo dos resultados. As etapas foram desenvolvidas com a participaćčo de todos os autores.

Os estudos foram selecionados primeiramente a partir da leitura dos resumos ou títulos, quando resumo nčo disponível, sendo respeitados os seguintes critérios de inclusčo: 1) Ser desenvolvido com pacientes com CCP; 2) Ter sido publicado em periódico brasileiro; 3) Ter sido realizado no Brasil; 4) Ter avaliado QV com instrumento/questionário fechado genérico ou específico validado no Brasil ou na língua de origem; 5) Ter sido realizado com pacientes com idade igual ou superior a 18 anos.

Os estudos que nčo apresentaram os critérios de inclusčo e que eram estudos de revisčo ou estudo qualitativo foram excluídos.

No segundo momento, levantaram-se os estudos completos, a partir dos selecionados na primeira etapa, sendo analisados novamente os critérios de inclusčo e exclusčo. Foram selecionados os trabalhos para incluir na análise e posteriormente analisados os estudos incluídos.

 

2.1 Bases consultadas

 

Os estudos brasileiros foram selecionados a partir do levantamento realizado no banco de dados de periódicos eletrônicos da Scientific Eletronic Library online (SciELO), Biblioteca Virtual de Saúde (BIREME), Literatura Latino-Americana (LILACS), Literatura do Caribe em Ciźncias da Saúde (MEDCARIB), Acervo da Biblioteca da Organizaćčo Pan-Americana da Saúde (PAHO), Base de Dados de Enfermagem (BDENF), Periódicos de Enfermagem (PeriEnf), IBESC, Literatura sobre Cidades/Municípios Saudáveis (CidSaúde) e Biblioteca Digital de teses e dissertaćões da Universidade de Sčo Paulo.

As buscas foram realizadas utilizando-se descritores (DeCS), palavras-chaves, e termos livres (Tabela 1), sendo escritos com e sem aspas. O levantamento também incluiu a busca no banco de dados DEDALUS da Universidade de Sčo Paulo (USP) e busca manual de estudos citados nas referźncias, nos livros e teses consultados.

 

2.2 Dados extraídos

 

Dos artigos selecionados foram extraídas as seguintes informaćões: desenho do estudo, tamanho da amostra, grupo (tipo de paciente/cČncer), nome do instrumento/questionário utilizado para avaliar QV, nľ de itens, domínios e escore dos instrumentos. Os estudos foram classificados em relaćčo ao delineamento em estudos observacionais e experimentais (ensaio clinico) e em relaćčo ao período de seguimento em longitudinal e transversal.

 

Tabela 1. Bases consultadas.

BASES DE DADOS

PALAVRA CHAVE OU TERMOS LIVRES*

DESCRITORES

(DecS)

BDENF, CidSaúde, IBECS,LILACS, PAHO,PeriEnf, SciELO, Teses USP, Bireme, BDENF, MEDCARIBE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“neoplasia de cabeća e pescoćo” and “qualidade de vida”, “cČncer de cabeća e pescoćo” and “qualidade de vida”, “neoplasia de nariz” and “qualidade de vida”, “cČncer nariz” and “qualidade de vida”, “neoplasia boca and “qualidade de vida”, “cČncer boca” and “qualidade de vida”, “neoplasia cavidade oral” and “qualidade de vida”, “cČncer cavidade oral” and “qualidade de vida”, “neoplasia garganta” and “qualidade de vida”, “cČncer garganta” and “qualidade de vida”, “neoplasia faringe” and “qualidade de vida”, “cČncer faringe” and “qualidade de vida”, “neoplasia tireóide” and “qualidade de vida”, “cČncer tireóide” and “qualidade de vida”, “neoplasia glČndula salivar” and “qualidade de vida”, “cČncer glČndula salivar” and “qualidade de vida”

neoplasias faríngeas and qualidade de vida, neoplasias bucal and qualidade de vida, neoplasias da glČndula tireóide and qualidade de vida

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teses USP

qualidade de vida and cČncer.

-

Busca Manual

qualidade de vida, cČncer, neoplasia, oncologia.

-

* Escritos com e sem aspas.    

 

3. RESULTADOS

 

Foram identificados 2125 estudos entre teses e artigos. A partir da leitura dos resumos foram selecionados 21. Os 2104 restantes foram excluídos pelos seguintes critérios: realizado com pacientes pediátricos, realizado fora do Brasil e por pesquisador nčo brasileiro, incluiu pacientes com patologias nčo-neoplásicas ou com tumores malignos localizados em outros segmentos que nčo cabeća e pescoćo, artigos e teses de revisčo ou realizados em outros países, estudos que nčo avaliaram qualidade de vida diretamente e trabalhos que nčo utilizaram instrumento para avaliar a QV (Tabela 2).

Dos 21 estudos selecionados, 11 foram incluídos na revisčo e 10 foram excluídos, pelos seguintes motivos: dois nčo apresentavam informaćões sobre o nome do questionário utilizado para avaliar QV, impossibilitando identificar o instrumento 16, 17, um nčo avaliou QV 8, seis estavam repetidos em diferentes bases de dados 16-20 e um foi excluído, pois era artigo com dados idźnticos ao de tese já incluída na análise 21.   

 

Tabela 2. Número de estudos identificados, extraídos e incluídos segundo base do levantamento.

Bases

Nľ de artigos e teses identificados

Nľ de artigos e teses selecionados

Nľ de artigos e teses incluídos

Bireme*

1451

4

4

BDENF

-

-

-

CidSaúde

-

-

-

IBECS

6

-

-

LILACS

2

2

-

MEDCARIB

-

-

-

PAHO

-

-

-

PeriEnf

-

-

-

SciELO

15

12

4

Biblioteca Digital de Teses da USP

649

3

3

Busca manual

2

-

-

Total

2125

21

11

*Busca integrada nas bases Medline, Biblioteca Cochrane, HISA, HOMEOINDEX, BBO, REPIDISCA, ADOLEC, WHOLIS, LEYES, BBO e portal de evidźncias.

 

Na Tabela 3 estčo apresentados os resultados da revisčo. Entre os 11 estudos incluídos seis foram transversais e cinco longitudinais, sendo apenas trźs ensaios clínicos.

O tamanho da amostra foi pequeno na maioria dos estudos, variando de 12 a 143 doentes Em relaćčo ao tipo de paciente incluído no estudo verificou-se que em cinco (45,46%) foram incluídos pacientes com CCP de diferentes tipos histológicos e seis estudos (63,64%) avaliaram subgrupos específicos, a saber: laringe, cavidade oral, vias aerodigestivas superiores e orofaringe.

Em relaćčo aos instrumentos utilizados para avaliar a QV, foram aplicados seis instrumentos, sendo estes genéricos e específicos que avaliaram a QVRS. Como instrumento genérico foi aplicado apenas o WHOQOL-bref 22. Entre os específicos, os mais utilizados foram o UW-QOL (36,4% dos estudos), o EORTC-H&N-35 (36,4%) e o EORTC-QLQ-c30 (36,4%), sendo este último genérico para pacientes com cČncer, e os dois primeiros específicos para pacientes com CCP.

Alguns instrumentos específicos foram utilizados em apenas um único estudo, a exemplo do FACT-H&N 23 e o SWAL-QOL 24, sendo que este último nčo é especifico para pacientes com CCP, mas específico para avaliar o impacto das alteraćões da deglutićčo sobre a QV (Tabela 3).

Os domínios avaliados diferiram entre os instrumentos, incluído frequentemente a avaliaćčo de sintomas específicos relacionados ao CPP em si e também aos tratamentos, tais como trismo, paladar e saliva, deglutićčo e mastigaćčo, a exemplo do EORTC-H&N-35 e o UW-QOL.

O escore de domínios de todos os instrumentos variou de 0 a 100, sendo que quanto maior o escore melhor a qualidade de vida ou funcionalidade e nos itens de sintomas, pior a QV.


Tabela 3. Instrumentos utilizados para avaliar qualidade de vida em estudos brasileiros desenvolvidos com pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo.

Estudo (referźncia)

Desenho

do estudo

Tamanho da amostra

Tipo de paciente

Nome completo do instrumento

Nome abreviado

do instrumento

No. de itens

No. de domínios

Nomes dos domínios e escalas avaliados

Escore

18

Longitudinal - observacional

100

Carcinoma  epidermoide oral

Questionário de qualidade de vida da Universidade de Washington

UW-QOL (versčo 3.0)

10

10

Dor, aparźncia, atividade, recreaćčo, deglutićčo, mastigaćčo, fala, ombros, paladar e saliva

0-100

24

Transversal - observacional

12

CČncer avanćado de laringe

Quality of life in Swallowing Disorders

SWAL-QOL

44

10

Fardo, desejo, frequźncia de sintomas, selećčo de alimentos, comunicaćčo, medo, saúde mental, funćčo social, sono e fadiga

0-100

19

Transversal - observacional

 

30

 

CČncer de laringe

 

European Organization for the research and treatment of cancer - Quality of life- core 30

EORTC-QLQ-c30

30

16

5 escalas de funcionalidade: física, funćčo cognitiva, funćčo emocional, funćčo social e desempenho de papéis; 3 escalas de sintomas: fadiga, dor, náuseas e vômitos; 1 escala de qualidade de vida e saúde global; 6 itens de outros sintomas: dispnéia, falta de apetite-anorexia, insônia, constipaćčo e diarréia; e 1 escala de avaliaćčo do impacto financeiro do tratamento e da doenća

0-100

EORTC Quality of Life Questionnaire- Head and Neck cancer Module

EORTC- H&N-35

35

18

Dor, engolir, sentidos (paladar e olfaćčo), fala, alimentar-se socialmente, contato social, diminuićčo da sexualidade, problemas dentários, trismo, xerostomia, saliva espessa, tosse, mal-estar, consumo de medicaćčo, suplementos nutricionais, sonda para alimentaćčo, perda ou ganho de peso.

0-100

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabela 3. Instrumentos utilizados para avaliar qualidade de vida em estudos brasileiros desenvolvidos com pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo (continuaćčo).

Estudo

(referźncia)

Desenho

do estudo

Tamanho

da amostra

Tipo de paciente

Nome completo do instrumento

Nome abreviado

do instrumento

No. de itens

No. de domínios avaliados

Nomes dos domínios e escalas avaliados

Escore

36

Longitudinal - ensaio clínico

15

CČncer cabeća e pescoćo e esôfago

EORTC- Quality of life questionnaire- core 30

EORTC QLQ-c30

30

16

Idem anterior

 0-100

22

Longitudinal - ensaio clínico

46

CČncer de cabeća pescoćo

World Health Organization- Quality of life Instrument- abbreviated version

WHOQOL-Bref

 

26

4

Físico, psicológico, relaćões sociais e meio ambiente

0-100

EORTC Quality of Life Questionnaire- Head and Neck cancer Module

EORTC- QLQ-H&N-35

35

18

Idem anterior

0-100

37

Transversal - observacional

143

Carcinoma epidermóide de boca e orofaringe

Questionário Qualidade de Vida da Universidade de Washington

UW-QOL (versčo 4.0)

17

6

12 itens= dor, aparźncia, atividade, recreaćčo, engolir, mastigar, falar, ombros, paladar, saliva, exposićčo, ansiedade.

1 item para avaliar quais dos itens anteriores sčo mais importantes.

3 itens gerais sobre QV global e relacionada ą saúde (físico, mental, familiar, social e espiritual)

1 questčo aberta para pacientes fazer comentários

0-100

38

Transversal - observacional

47

CČncer de boca e orofaringe

Questionário Qualidade de Vida da Universidade de Washington

UW-QOL (versčo 4.0)

17

6

Idem anterior

 

0-100

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabela 3. Instrumentos utilizados para avaliar qualidade de vida em estudos brasileiros desenvolvidos com pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo (conclusčo).

Estudo

(referźncia)

Desenho

do estudo

Tamanho

da amostra

Tipo de paciente

Nome completo do instrumento

Nome abreviado

do instrumento

No. de itens

No. de domínios avaliados

Nomes dos domínios e escalas avaliados

Escore

39

Longitudinal- observacional

30

CČncer de cabeća pescoćo

EORTC- Quality of life questionnaire- core 30

EORTC QLQ-c30 (versčo 3.0)

 

30

16

Idem 19

0-100

EORTC Quality of Life Questionnaire- Head and Neck cancer Module

EORTC- QLQ-H&N-35

35

14

 

Fadiga, náusea, vômito, dor, dispnéia, insônia, perda de apetite, constipaćčo, diarréia, desempenho funcional, funćčo cognitiva e dificuldades financeiras.

0-100

23

Transversal - observacional

32

CČncer de cabeća pescoćo

Functional Assessment of Cancer Therapy Quality of Life Measurement System

FACT-H&N

38

5

Domínios: bem-estar físico, bem-estar social-familiar e bem-estar emocional e funcional.

12 questões específicas do CPP: dor, xerostomia, voz, imagem facial, deglutićčo, ingestčo de alimentos sólidos, comunicaćčo, consumo de fumo e bebidas alcoólicas.

0-100

20

Transversal - observacional

31

CČncer epidermóide de vias aerodigestivas superiores

EORTC- Quality of life questionnaire- core 30 (versčo 3.0)

EORTC QLQ-c30

30

16

Idem

0-100

EORTC Quality of Life Questionnaire- Head and Neck cancer Module

EORTC- QLQ-H&N-35

35

18

Idem

0-100

40

Longitudinal – ensaio clínico

88

CČncer de cabeća pescoćo

Questionário Qualidade de Vida da Universidade de Washington

UW-QoL (versčo 4.0)

5

5

Dor, atividade, lazer, ombro e o composite

0-100

 

 

 


4. DISCUSSŐO

 

No Brasil os instrumentos mais utilizados para avaliar QV em CCP foram o EORTC QLQ-c30, UW-QOL e EORTC–H&N-35, sendo que todos avaliam a qualidade de vida relacionada ą saúde.

Os instrumentos de medida de QV sčo classificados em genéricos e específicos. No presente estudo, observou-se que na maioria dos trabalhos foi utilizado instrumento específico, sendo estes considerados mais indicados do que os genéricos, pois medem a qualidade de vida perante a patológica especifica, enquanto o genérico avalia qualidade de vida no geral, independente da patologia 15. Além disso, os instrumentos específicos apresentam maior capacidade detectar mudanćas no estado de saúde e QV dos pacientes, sejam essas decorrentes da doenća ou de tratamentos 11.

Os instrumentos identificados avaliam diversos domínios da QV, mas ao comparar-se o UW-QOL e EORTC–H&N35, verificou-se que este último focava mais em aspectos físicos e sintomas, nčo contemplando o conceito de qualidade de vida como um construto multidimensional. O EORTC-H&N-35 para avaliar a multidimensionalidade da QVRS precisa ser aplicado associado ao EORTC-QLQ-c30 ou a um instrumento genérico como WHOQOL, conforme foi realizado no estudo desenvolvido por Funk 22. Portanto, deve haver a complementaćčo do questionário específico para cabeća e pescoćo por um questionário genérico que englobe outros domínios fora desta área.

O UW-QOL versčo 4.0 é um instrumento já traduzido e validado para o Brasil 25, e diferentemente do EORTC-H&N-35, além de avaliar os sintomas específicos dos CCP, também contempla questões que avaliam a qualidade de vida global, família, aspectos sociais e espirituais. Além disso, ainda inclui uma questčo aberta. De modo geral, pode-se dizer que este é um dos instrumentos específicos mais completos para avaliar QV de pacientes com CCP, assim como o FACT-H&N.

As medidas de QVRS deveriam permitir a avaliaćčo multidimensional do impacto geral da doenća ou tratamento na vida do indivíduo e nčo apenas o impacto nos aspectos físicos5. Para atingir esse objetivo, os instrumentos deveriam avaliar aspectos físicos, emocionais, sociais, financeiros e também espirituais, pois embora nčo haja definićčo consensual do termo QV, a Organizaćčo Mundial da Saúde (OMS) a define como a percepćčo do indivíduo de sua posićčo na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relaćčo aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupaćões 26.  

A definićčo da OMS baseia-se nos pressupostos de que QV é um construto subjetivo (percepćčo do indivíduo), multidimensional e que inclui elementos de avaliaćčo tanto positivos (p.ex., mobilidade) como negativos (p.ex., dor), os quais se relacionam proximamente com a avaliaćčo dos sintomas, a qual está frequentemente presente nos instrumentos específicos por doenća 27.

Os instrumentos específicos muitas vezes nčo avaliam o conceito de QV proposto pelo a OMS, pois estes se propõem a avaliar a qualidade de vida relacionada ą saúde e nčo a QV geral. O termo qualidade de vida relacionada ą saúde (health-related quality of life) é uma definićčo especifica do setor saúde que foi introduzida visando apreender o valor atribuído ą vida, quando ela passa a ser modificada por limitaćões na esfera física, psicológica e nas funćões sociais, em decorrźncia da doenća, do tratamento e de outros agravos 28. Há algumas definićões de qualidade de vida relacionada ą saúde (QVRS), mas todas tźm como denominador comum a percepćčo do paciente sobre a sua vida frente ą doenća ou estado de saúde 13.

Para Cella e colaboradores 29, nos pacientes com cČncer, a QVRS seria a avaliaćčo do paciente de sua satisfaćčo com o seu nível atual de funcionalidade, comparado com o que ele percebe ser possível ou ideal. Já para Gotay e Moore 30 a qualidade de vida para pacientes com cČncer seria um estado de bem-estar composto por dois componentes: a habilidade para desempenhar as atividades diárias que reflete o bem-estar físico, psicológico e social e a satisfaćčo do paciente com o seu nível de funcionalidade e com o controle da doenća e/ou sintomas relacionados ao tratamento. Nesse sentido, o UW-QOL seria o instrumento mais indicado para avaliar QVRS de pacientes com CCP.

Os principais objetivos dos instrumentos de medida de QV sčo avaliar o paciente, o prognóstico, distinguir entre pacientes ou grupos de pacientes, além de comparar modalidades de tratamento com taxas de cura similares e analisar o impacto da terapźutica adotada. Ao avaliar o doente individualmente, os questionários elucidam os aspectos que nčo sčo avaliados rotineiramente pelo profissional de saúde e nčo sčo relatados pelo paciente e familiares, tais como depressčo, atividade sexual, ansiedade, enfrentamento da doenća, entre outros. Esse relato nčo-espontČneo viabiliza a identificaćčo de aspectos que também devem ser cuidados além do cČncer em si 31, 32.Dessa forma, os instrumentos de medida de QV deveriam ser rotineiramente utilizados nos servićos de saúde, pois facilitariam a identificaćčo de sintomas e sofrimento e a proposićčo de intervenćões.

Os resultados advindos da avaliaćčo da QV também auxiliam na selećčo dos tratamentos antineoplásicos. Quando se determina o tratamento para o CCP, existem diferentes općões terapźuticas com prognósticos ou chances de cura similar. Contudo, a qualidade de vida dos pacientes, em cada modalidade terapźutica, pode ser bem diferente, e isso deve ser levado em conta durante a escolha. Dessa forma, o impacto na QV e nčo apenas o aumento da sobrevida deve ter consideraćčo na escolha da terapźutica mais adequada33. Trata-se de acrescentar vida aos anos, e nčo apenas anos ą vida.

Os instrumentos adotados para uso na prática clínica para avaliar QV de pacientes em tratamento e seguimento devem ser curtos, fáceis de entendimento, ter um custo baixo, rápido para o preenchimento e ter seus critérios de validaćčo psicométricas bem estabelecidos. Partindo dessas recomendaćões e considerando-se os instrumentos identificados para avaliar QV em pacientes com CCP no Brasil, observa-se que o mais indicado seria o UW-QoL (versčo 4.0) por ter menor número de itens, apenas 17 e em segundo lugar o EORTC QLQ-H&N-35, mas que tem o dobro de itens. Em relaćčo ą validaćčo, o UW-QoL (versčo 4.0) e o FACT-H&N foram traduzidos e validados para o Brasil 25, 34.

Os tumores de cabeća e pescoćo embora contribuam com apenas 4% dos casos de cČncer, os CCP tźm um impacto muito significativo na QV. Pacientes com CCP sčo mais vulneráveis a problemas psicossociais, pois as interaćões sociais e emocionais dependem em grande parte, da integridade funcional e estrutural da regičo da cabeća e pescoćo. Além disto, o impacto de um diagnóstico de CCP e as consequźncias de tratamento tźm influźncia clara e direta sobre a QV 14. A aplicaćčo dos instrumentos por profissionais de saúde seria de grande valia para prevenćčo e identificaćčo precoce de sintomas e para avaliar o impacto da doenća e tratamento na vida dos indivíduos.

O número de estudos relatando resultados da avaliaćčo da QV e sintomas em pacientes com CPP tźm aumentado. Este prática é resultando do interesse dos clínicos e pesquisadores em identificar os efeitos agudos e tardios dos tratamentos e também das exigźncias de agźncias regulatórios como a Food and Drug Administration(FDA) nos Estados Unidos, a qual recomenda fortemente o uso de instrumentos de autorrelato nos ensaios clínicos, os quais sčo denominados de Patient-report outcomes (PRO) 31. Entretanto, muitos destes estudos sčo utilizados instrumentos validados, podendo nčo estar avaliando QVRS 35.

O presente estudo apresenta limitaćões, principalmente no que se refere aos critérios de inclusčo adotados para selecionar os estudos. Nčo foram analisados estudos  realizados fora do Brasil e nčo incluiu estudos qualitativos. Entretanto, é importante destacar que este estudo é o primeiro realizado no Brasil para levantar os instrumentos que vźem sendo utilizados para avaliar QV de pacientes com CPP. Anteriormente foi realizada revisčo bibliográfica 15, mas o objetivo de apresentar e descrever alguns instrumentos disponíveis para avaliar QV em pacientes com CCP. Nčo foi realizada revisčo sistemática.

 

 

 

IMPLICAāŐO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

 

Os resultados do presente estudo auxiliarčo enfermeiros e demais profissionais de saúde a selecionar o melhor instrumento para avaliar QV de pacientes com CCP na prática clínica diária e em estudos clínicos.

 

5.CONCLUSŐO

 

A partir dos resultados apresentados no presente estudo, pode-se concluir que os instrumentos mais utilizados para avaliar a QV de pacientes com CCP no Brasil sčo EORTC QLQ-c30, o UW-QOL (versčo 4.0) e o EORTC–H&N35. Desses apenas o UW-QOL (versčo 4.0) está validado.

 

 

 


6. REFERśNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

1.         Brasil. Estimativa 2010: incidźncia de cČncer no Brasil. In: CČncer-INCA MdSINd, editor. Rio de Janeiro: INCA; 2009.

2.         Bergamasco VD, Marta GN, Kowalski LP, Carvalho AL. Perfil epidemiológico do cČncer de cabeća e pescoćo no Estado de Sčo Paulo. Rev Bras Cir Cabeća e Pescoćo. 2008;37(1):15-9.

3.         Bittencourt R, Scaletzky A, Boehl JAR. Perfil epidemiológico do cČncer na rede pública em Posto Alegre - RS. Rev Bras Cancerologia. 2004;50(2):95-101.

4.         Parker RG, Rice DH, Casciato DA. Head and neck cancer. In: CASCIATO DA, editor. Manual of clinical oncology. 5Ľ ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2004.

5.         Murphy BA, Ridner S, Wells N, Dietrich M. Quality of life research in head and neck cancer: a review of the current state of the science. Crit Rev Oncol Hematol. 2007;62(3):251-67.

6.         Barbosa LNF, Santos DA, Amaral MX, Gonćalves AJ, Bruscato WL. Repercussões psicossociais em pacientes submetidos a laringectomia total por cČncer de laringe: um estudo clínico-qualitativo. Rev SBPH. 2004;7(1):45-58.

7.         Edwards BK, Brown ML, Wingo PA, Howe HL, Ward E, Ries LA, et al. Annual report to the nation on the status of cancer, 1975-2002, featuring population-based trends in cancer treatment. J Natl Cancer Inst. 2005;97(19):1407-27.

8.         Campos JLG, Chagas JFS, Magna LA. Fatores de atraso no diagnostico do cČncer de cabeća e pescoćo e sua relaćčo com a sobrevida e qualidade de vida. Rev Bras Cir Cabeća e Pescoćo. 2007;36(2):65-8.

9.         Vido MB, Fernandes RAQ. Qualidade de vida: consideraćões sobre conceitos e instrumentos de medida. Online Brazilian Journal of Nursing [online]. 2007; [capturado 27/10/2011]; 6(2):Disponível em: www.uff.br/objnursing.

10.       Vianna CMM, Caetano R. Avaliaćões econômicas como um instrumento no processo de incorporaćčo tecnológica em saúde. Cad Saúde Coletiva. 2005;13(3):747-66.

11.       Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciźnc. Saúde Coletiva. 2000;5(1):7-18.

12.       Fallowfield L. Quality of life: a new perspective for cancer patients. Nat Rev Cancer. 2002;2(11):873-9.

13.       Ferreira KASL. Dor e qualidade de vida relacionada a saúde de pacientes com cČncer: influźncia das citocinas pró-inflamatórias TNF-alfa, IL-6, IL-8 e IL-1β [Enfermagem na Saúde do Adulto]. Sčo Paulo: Universidade de Sčo Paulo; 2008.

14.       Sayed SI, Elmiyeh B, Rhys-Evans P, Syrigos KN, Nutting CM, Harrington KJ, et al. Quality of life and outcomes research in head and neck cancer: a review of the state of the discipline and likely future directions. Cancer Treat Rev. 2009;35(5):397-402.

15.       Vartanian JG, Carvalho AL, Furia CLB, Jinior GC, Rocha CN, Snitcovisky IML, et al. Questionários para a avaliaćčo de Qualidade de Vida em pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo validados no Brasil. Rev Bras Cir Cabeća Pescoćo. 2007;36(2):108-15.

16.       Labbate R, Lehn C, Denardin O. Efeitos da clorexidina na mucosite induzida por radioterapia em cČncer de cabeća e pescoćo. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69(3):349-54.

17.       Hirota SK, Penha SS, Lehn CN, Sugaya NN, Migliari DA. Qualidade de vida em pacientes submetidos a tratamento cirúrgico para neoplasias de glČndulas salivares menores. Braz Oral Res. 2007;21(4):375-9.

18.       Andrade FP, Antunes JLF, Durazzo MD. Evaluation of the quality of life patients with oral cancer in Brazil. Braz Oral Res. 2006;20(4):290-6.

19.       Braz DSA, Robas MM, Dedivitis RA, Nishimoto IN, Barros APB. Quality of life and depression in patients undergoing to total and partial laryngectomy. Clinics. 2005;60(2):135-42.

20.       Amar A, Rapaport A, Franzi SA, Bisordi CL, Carlos N. Qualidade de vida e prognóstico nos carcinomas epidermóides de cabeća e pescoćo. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002;68(3):400-3.

21.       Matias KS, Lehn CN, Antunes JLF. Qualidade de vida de pacientes com cČncer bucal e da orofaringe por meio do questionário UW-QOL. RPG rev pos-grad. 2007;14(2):139-46.

22.       Funk CS. Avaliaćčo do impacto de um protocolo de cuidados odontológicos na qualidade de vida de pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

23.       Sawada NO, Dias AM, Zogo MNF. O efeito da radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo. Rev Bras Cancerologia. 2006;52(4):323-9.

24.       Barros APB, Portas JG, Queija DS, Lehn CN, Dedivits RA. Autopercepćčo da desvantagem vocal (VHI) e qualidade de vida relacionada ą deglutićčo (SWAL-QDL) de pacientes laringectomizados totais. Rev Bras Cir Cabeća Pescoćo. 2007;36(1):32-7.

25.       Vartanian JG, Carvalho AL, Yueh B, Furia CL, Toyota J, McDowell JA, et al. Brazilian-Portuguese validation of the University of Washington Quality of Life Questionnaire for patients with head and neck cancer. Head Neck. 2006;28(12):1115-21.

26.       Fleck MP, Leal O, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, et al. Desenvolvimento da versčo em portuguźs do instrumento de avaliaćčo de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev Bras Psiquiatria. 1999;21(1):19-28.

27.       Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. [Application of the Portuguese version of the instrument for the assessment of quality of life of the World Health Organization (WHOQOL-100)]. Rev Saude Publica. 1999;33(2):198-205.

28.       Kimura M, Ferreira KASL. Avaliaćčo da Qualidade de Vida em Indivíduos com Dor. In: Chaves LD, Lečo ER, editors. Dor o 5ľ sinal vital: reflexões e intervenćões de Enfermagem. Curitiba: Maio; 2004. p. 59-74.

29.       Cella DF, Tulsky DS, Gray G, Sarafian B, Linn E, Bonomi A, et al. The Functional Assessment of Cancer Therapy scale: development and validation of the general measure. J Clin Oncol. 1993;11(3):570-9.

30.       Gotay CC, Moore TD. Assessing quality of life in head and neck cancer. Qual Life Res. 1992;1(1):5-17.

31.       Bren L. The importance of patient-reported outcomes...it's all about the patients. FDA Consum. 2006;40(6):26-32.

32.       Kowalski LP. Treatment planning, total rehabilitation and quality of life of the head and neck cancer patients. Ciźnc Cult. 1994;46(101-7).

33.       Morton RP, Izzard ME. Quality-of-life outcomes in head and neck cancer patients. World J Surg. 2003;27(7):884-9.

34.       Sawada NO. Qualidade de vida dos pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo. Ribeirčo Preto: Universidade de Sčo Paulo; 2002.

35.       Pusic A, Liu J, Chen C, Cano S, Davidge K, Klassen A, et al. A systematic review of patient-reported outcome measures in head and neck cancer surgery. Otolaryngol Head Neck Surg. 2007;136(4):525-35.

36.       Fabricio VC, Amado F, Del Giglio A. Cisplatina, 5-fluoururacil e leucovorin - regime quimioterápico ambulatorial de baixo custo para carcinomas de cabeća e pescoćo e esôfago avanćados. Sao Paulo Med J. 2008;126(1):63-6.

37.       Matias KS. Qualidade de vida de pacientes com cČncer bucal e da orofaringe através do questionário UW-QOL. Sčo Paulo: Universidade de Sčo Paulo; 2005.

38.       Andrade FP. Qualidade de vida e cČncer de boca e orofaringe: valores de referźncia. Sčo Paulo: Universidade de Sčo Paulo; 2008.

39.       Araujo SSC, Padilha DMP, Boldisserotto J. Avaliaćčo da condićčo de saúde bucal e da qualidade de vida de pacientes com cČncer de cabeća e pescoćo atendidos em hospital publico de Porto Alegre. Rev Bras Cancerologia. 2009;55(2):129-38.

40.       Mozzini CB. Avaliaćčo da funcionalidade do ombro, dor e qualidade de vida em pacientes submetidos a esvaziamento cervical e a resposta ao protocolo de reabilitaćčo fisioterápica. Sčo Paulo: Universidade de Sčo Paulo; 2009.

 

 



* Rosana Mendonća Menezes - Estudante de Enfermagem 8ľ. semestre. Universidade Guarulhos-UnG. e-mail: roro_mm26@yahoo.com.br

** Karine Azevedo Sčo Lečo Ferreira - Enfermeira. Professora Doutora do Mestrado em Enfermagem da Universidade de Guarulhos - UnG. Pesquisadora do Centro Multidisciplinar de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Sčo Paulo (FMUSP) e do Instituto do CČncer do Estado de Sčo Paulo (ICESP). e-mail: klferreira@prof.ung.br

*** Luana Muniz de Souza - Estudante de Enfermagem 8ľ. semestre. Universidade Guarulhos-UnG. e-mail: luanamuniz@bol.com.br

**** Haidź Lima Alexandre Barros - Estudante de Enfermagem 8ľ. semestre. Universidade Guarulhos-UnG. e-mail: ide_fathi@yahoo.com.br

***** Marina Jescica Paixčo Pessanha - Enfermeira. Mestranda da Universidade Guarulhos (UNG). Especialista em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) -Hospital Sírio Libanźs. e-mail: marina_jescica@hotmail.com



1) UnG - Universidade Guarulhos 2) Indexador: Latindex 3) Indexador: Dialnet