AVALIAāŐO DO pH E DA TITRABILIDADE ÁCIDA DE REFRIGERANTES

EVALUATION OF THE pH AND ACID TITRABILITY OF SOFT DRINKS

 

Verona A*, Oliveira AST**, Rodrigues JA***, Lima-Arsati YBO****

 

RESUMO: O consumo de bebidas com pH ácido, especialmente abaixo de 4,5, é considerado como um fator de risco para o desenvolvimento de lesões de erosčo dental. No decorrer dos anos diversos trabalhos comprovam que as bebidas industrializadas possuem caráter ácido. Este trabalho investigou e comparou o pH e a titrabilidade ácida de 16 refrigerantes vendidos no mercado Brasileiro. Foram obtidas 6 unidades de cada bebida. Foi utilizado medidor de pH calibrado para avaliar o pH, e titulaćčo com NaOH 1N para avaliar a titrabilidade ácida no pH 4,5 e 7,0; logo após a quebra do lacre. A média das 6 avaliaćões de cada refrigerante foi utilizada para a análise estatística. Os dados de pH foram submetidos ą one-way ANOVA e teste de Tukey (a = 0.05). Todas as bebidas apresentaram pH abaixo do pH crítico (4,5) para desmineralizaćčo dental e podem ser consideradas como fator de risco para o desenvolvimento de erosčo dental. Houve uma grande variaćčo na titrabilidade ácida, sendo que ao pH 4,5 nčo houve correlaćčo entre o pH das bebidas e a titrabilidade, mas ao pH 7,0 houve correlaćčo negativa entre pH e titrabilidade ácida. O sabor dos refrigerantes afetou os resultados de pH e titrabilidade ácida.

PALAVRAS-CHAVE: pH.Titrabilidade Ácida. Erosčo Dental. Refrigerantes.

 

ABSTRACT: The consumption of acidic beverages, especially with pH lower than 4.5, is considered a risk factor for dental erosion. Throughout recent years, several studies have shown that manufactured beverages have acidic pH. This study evaluated and compared the pH and the acid titrability of 16 Brazilian soft drinks. Six unites of each product, were evaluated using a calibrated pHmeter, immediately after opening the beverage bottle. After that, the beverages were buffered at pH 4.5 and 7.0 with a 1N NaOH solution. The average of the six values for each beverage was considered for statistical analysis. The data were submitted to ANOVA and Tukeyęs test (a= 0.05). All soft drinks presented pH lower than the critical for dental demineralization (4.5) and can be considered as a risk factor to dental erosion development. There was a high variation in the acid titrability among the soft drinks. There was no correlation between pH and acid titrability at pH 4.5, but there was a correlation between pH and acid titrability at pH 7.0, since the most acidic soft drinks needed more NaOH to be neutralized. The different flavor of the soft drinks affected their values of pH and acid titrability.

KEYWORDS: pH, Acid Titrability, Dental Erosion, Soft Drinks.

 

INTRODUāŐO

            A evolućčo da odontologia e a introdućčo dos conceitos voltados para a promoćčo de saúde, aliados ao aumento da expectativa de vida, tźm contribuído com a crescente manutenćčo dos elementos dentais na cavidade bucal. Esse fato e a concomitante mudanća de hábitos alimentares e comportamentais contribuem para o surgimento de outras alteraćões da estrutura dental1.

Com o declínio da incidźncia da principal doenća dental – a cárie – em diversas regiões do mundo, outras lesões que afetam as estruturas dentais, como a erosčo, vem assumindo uma posićčo de destaque entre as patologias bucais mais prevalentes2. A erosčo dental é a perda superficial de tecido dental mineralizado causada por ácidos de origem nčo-bacteriana 3, 4.

Inicialmente, a característica clínica mais comum da lesčo de erosčo dental é a perda do brilho do esmalte, a superfície apresenta-se lisa, em forma de “U” ou pires, a lesčo mostra-se larga e rasa, sem Čngulos ou cavidades3. Quando atinge a dentina, provoca hipersensibilidade. Quando acomete dentes restaurados, as restauraćões tornam-se proeminentes, pois muitas vezes se desgastam menos do que a estrutura dental 5,6.

Diversos fatores contribuem no processo de erosčo dental, sejam estes oriundos de fontes extrínsecas, que estčo relacionadas a hábitos alimentares, ou intrínsecos, relacionados ą exposićčo dos dentes ao suco gástrico (como em casos de bulimia nervosa e refluxo gastresofágico), o que faz do Cirurgičo-Dentista um profissional decisivo no diagnóstico dessas alteraćões6. Como a erosčo está mais frequentemente associada ą dieta, é muito importante a avaliaćčo dos hábitos alimentares, uma vez que alimentos e bebidas industrializados muitas vezes sčo ácidos, em funćčo da adićčo dos acidulantes7,8.

Rodrigues et al. (2008)9, avaliaram 30 bebidas industrializadas vendidas no estado de Sčo Paulo e observaram que embora as águas aromatizadas e sucos light possuam maior pH (potencial hidrogeniônico) que os refrigerantes, todos apresentam pH abaixo do crítico para desmineralizaćčo dental. E sugeriram que seu consumo em excesso (tanto em quantidade quanto em frequźncia) deve ser considerado como um fator de risco para erosčo dental.

Essa lesčo de erosčo pode ser formada quando a superfície do esmalte dental (formado por hidroxiapatita) for submetida a uma solućčo de pH inferior a 5,5; deve-se considerar também que essa perda mineral do esmalte dental pode acontecer apenas quando o pH for inferior a 4,5 para aqueles cristais formados por fluorapatita5. Em acréscimo, nčo só o pH abaixo desses valores críticos pode causar desmineralizaćčo, mas também o fato da solućčo ser subsaturante em relaćčo aos minerais do dente (cálcio e fosfato, principalmente).

Outro fator a ser considerado para caracterizar uma bebida como potencialmente erosiva é a sua titrabilidade ácida, que se refere ą adićčo de uma base forte até que o pH se eleve aos valores desejados. Enquanto o pH de uma solućčo está relacionado ą dissociaćčo do ácido em íons hidrogźnio (representada por seu pka), a titrabilidade ácida depende da existźncia de regiões de tamponamento apresentadas por esse ácido (próximas aos valores de pka). Nessas regiões de tamponamento (que ocorrem em valores de pH entre uma unidade abaixo e uma unidade acima de seu pka), durante a adićčo de uma base forte por exemplo, o pH nčo se eleva tčo bruscamente10.

 Na cavidade bucal, pode ocorrer o tamponamento do pH dessas bebidas devido ą presenća de sistemas tampčo na saliva, que justamente evitam variaćões bruscas do pH da cavidade bucal. Dentre esses sistemas, destaca-se o sistema tampčo bicarbonato. Sua aćčo baseia-se na ligaćčo de íons bicarbonato aos íons hidrogźnio provenientes dessas bebidas, resultando em ácido carbônico e, sucessivamente, em gás carbônico e água11.

Nesse contexto, é extremamente importante, nčo somente avaliar o pH das bebidas de grande consumo na atualidade, mas também determinar a titrabilidade ácida das mesmas.

 

OBJETIVO

Este trabalho teve como objetivo determinar o pH e a titrabilidade ácida de 16 refrigerantes encontrados no mercado brasileiro.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Amostra

            No presente trabalho foram estudados 16 diferentes tipos de bebidas industrializadas, tendo sido avaliados seis unidades de cada tipo, sendo duas de cada lote (trźs lotes diferentes foram avaliados; quadro 1).

Avaliaćčo do pH

            O pH foi avaliado utilizando-se um peagČmetro (eletrodo de pH acoplado a um potenciômetro, RbLAb, Sčo Paulo, SP, Brasil) previamente calibrado em solućões tampões com pH 7,0 e pH 4,0.

Avaliaćčo da titrabilidade ácida

            A titrabilidade ácida foi realizada por titulometria, ou seja, pela determinaćčo do volume de base (hidróxido de sódio, NaOH, 1M) adicionado a 50 ml de cada amostra até que o pH final fosse 4,5 e 7,0. O pH foi medido como descrito anteriormente.

Bebidas

Fabricante

Lotes

Coca-Cola®

Coca-Cola

p130810

41010

52011

Coca-Cola Plus®

Coca-Cola

p210511

p180411

p200215

Coca-Cola Zero®

Coca-Cola

p120810

p120920

p130915

Convenćčo Abacaxi®

Refrigerantes Convenćčo

230910ā17

230910ā16

200910

Convenćčo Uva®

Refrigerantes Convenćčo

230907

260900

240907ā21

Dolly Cola®

Dolly

AE201010

AE140811

AE210511

Fanta Uva®

Coca-Cola

61110

181010

91111

Fanta Uva Zero®

Coca-Cola

40111

220810

P230910

Fanta Laranja®

Coca-Cola

151110

P270610

P260810

Fanta Laranja Zero®

Coca-cola

P031110

P061016

P061110

Guaraná Antártica®

AmBev

110211

130010

160116

Guaraná Antártica Zero®

AmBev

Pj18111

Pj18114

Pj021210

Guaraná Kuat Zero®

Coca-Cola

181110

181109

181010

Pepsi Light®

AmBev

160910

Ja0323

P200710

Pepsi Light Plus®

AmBev

P200710

P200610

Ja0273203

Vitt`s Limčo®

Refrigerantes Convenćčo

061008-30

250912ā20

61008

            Quadro 1- Bebidas estudadas, fabricante e lotes.

 

Análise estatística dos resultados

            Após a verificaćčo da distribuićčo normal dos dados, foi realizada one-way ANOVA e teste de Tukey para comparaćčo dos dados de pH. Os dados de titrabilidade foram submetidos ą two-way ANOVA e teste de Tukey considerando os fatores bebidas e pH (4,5 e 7,0). Foram calculados os coeficientes de correlaćčo linear de Pearson (R) entre os valores de pH, titrabilidade ácida para pH 4,5 e 7,0. O nível de significČncia adotado foi de 5%.

 

RESULTADOS

Avaliaćčo do pH

            Analisando cada refrigerante individualmente, nenhum dos itens obteve pH maior do que 3,65, e levando em consideraćčo as fontes de variaćčo, observou-se que as bebidas submetidas aos testes possuíam em média pH = 3,1; variando entre 2,60 e 3,65, podendo ser observado também que o Vitt`s limčo e os refrigerantes ą base de cola, exceto a Pepsi Light Plus, possuem pH significativamente mais baixos do que os outros refrigerantes analisados, como pode ser observado na tabela 1 e gráfico 1:

 

Tabela 1- Médias (Ī desvio padrčo) dos valores de pH para as bebidas estudadas.

Bebidas

pH

Coca-Cola Plus

2,60 (Ī 0,15)a

Vitt`s Limčo

2,62 (Ī 0,19)a

Dolly Cola

2,65 (Ī 0,15)a

Coca-Cola

2,67 (Ī 0,12)a

Coca-Cola Zero

2,73 (Ī 0,12)a

Pepsi Light

2,73 (Ī 0,08)a

Convenćčo Abacaxi

3,08 (Ī 0,10)b

Pepsi Light Plus

3,08 (Ī 0,39)b

Fanta Laranja Zero

3,22 (Ī 0,26)b

Convenćčo Uva

3,27 (Ī 0,36)b

Guaraná Antártica Zero

3,33 (Ī 0,10)b

Guaraná Kuat Zero

3,37 (Ī 0,12)b

Guaraná Antártica

3,45 (Ī 0,10)b

Fanta Uva

3,53 (Ī 0,08)b

Fanta Uva Zero

3,55 (Ī 0,14)b

Fanta Laranja

3,65 (Ī 0,05)b

Letras diferentes entre as linhas indicam diferenća estatística significativa (ANOVA + Tukey).


Gráfico 1- Comparaćčo gráfica do pH das bebidas estudadas.

 

Avaliaćčo da titrabilidade ácida

 

            A análise de variČncia demonstrou diferenćas significativas para o fator “Bebida”, para o fator “pH” e para a interaćčo desses fatores (p<0,05).

            A Coca-Cola, Coca-Cola Plus, Pepsi, Convenćčo Uva, Dolly Cola, Fanta Uva, Fanta Uva Zero, Fanta Laranja, Fanta Laranja Zero, Guaraná Antártica, Guaraná Antártica Zero, Guaraná Kuat Zero, Pepsi Light, Pepsi Light Plus nčo apresentaram diferenćas significativas, quando comparadas entre si. O refrigerante Convenćčo Abacaxi apresentou valores de titrabilidade ácida intermediários. O refrigerante Vitt`s Limčo necessitou de maior volume de base para que seu pH atingisse 4,5 e 7,0.

 

Tabela 3- Médias de NaOH (em ml) utilizado para titulaćčo ao pH 4,5 e pH 7,0, desvio padrčo e resultados do teste de Tukey para as bebidas estudadas.

Bebidas

pH 4,5

pH 7,0

Coca-Cola

1,2 (Ī0,3)BCa

2,2 (Ī0,8)BCDb

Coca-Cola Plus

0,7 (Ī0,2)BCa

2,2 (Ī0,3)BCDb

Coca-Cola Zero

0,5 (Ī0,1)Ca

2,8 (Ī0,3)Bb

Convenćčo Abacaxi

1,7 (Ī0,2)ABa

2,6 (Ī0,2)BCb

Convenćčo Uva

1,1 (Ī0,4)BCa

2,6 (Ī0,4)Bb

Dolly Cola

0,9 (Ī0,1)BCa

1,4 (Ī0,2)CDa

Fanta Uva

0,8 (Ī0,2)BCa

2,4 (Ī0,5)BCDb

Fanta Uva Zero

0,5 (Ī0,3)BCa

2,1 (Ī0,4)BCDb

Fanta Laranja

0,9 (Ī0,4)BCa

1,6 (Ī0,5)BCDb

Fanta Laranja Zero

1,0 (Ī0,2)BCa

1,4 (Ī0,3)Da

Guaraná Antártica

1,0 (Ī0,2)BCa

2,2 (Ī0,3)BCDb

Guaraná Antártica Zero

0,8 (Ī0,1)BCa

1,8 (Ī0,1)BCDb

Guaraná Kuat Zero

0,4 (Ī0,2)Ca

1,8 (Ī0,2)BCDb

Pepsi Light

0,5 (Ī0,1)Ca

2,5 (Ī0,2)BCDb

Pepsi Light Plus

0,6 (Ī0,5)BCa

2,3 (Ī0,6)BCDb

Vitt`s Limčo

2,6 (Ī0,6)Aa

5,6 (Ī2,9)Ab

Letras maiúsculas distintas indicam diferenća estatística significativa entre as linhas, e letras minúsculas distintas, entre as colunas.

 


Gráfico 2- Comparaćčo gráfica da titrabilidade ácida das bebidas estudadas.

Nčo houve correlaćčo linear entre os valores de pH e titrabilidade ao pH 4,5 (p = 0,15), ao pH 7,0 houve uma correlaćčo negativa significativa (p = 0,0012; R = - 0,325). Houve correlaćčo positiva significativa entre os valores de titrabilidade ácida para pH 4,5 e 7,0 (p< 0,0001; R = 0,527).

 

 DISCUSSŐO

Com a diminuićčo da prevalźncia e da incidźncia da doenća cárie, maior atenćčo tem sido dada a outras doenćas bucais. Nesse contexto se inclui a erosčo dental, que é a desmineralizaćčo dos tecidos dentais (esmalte e/ou dentina) causada por substČncias ácidas de origem nčo-bacteriana 2,3,4. Estudos clínicos e epidemiológicos tźm encontrado associaćčo entre o consumo exagerado de bebidas ácidas, especialmente aquelas ą base de cola, com a erosčo dental12. Esse consumo exagerado é caracterizado por longa duraćčo e grande frequźncia 4,5,7.

Vale lembrar que, como a erosčo dental nčo está relacionada ą produćčo de ácidos por bactérias a partir de carboidratos fermentáveis, a presenća ou nčo de aćúcares nesses refrigerantes nčo interfere na sua ocorrźncia. Sendo assim, o objeto do atual estudo foram os refrigerantes, contendo ou nčo aćúcares, que sčo bebidas largamente consumidas no Brasil e no mundo.

Todos os refrigerantes avaliados apresentaram pH abaixo do pH crítico para desmineralizaćčo dental, sendo que o Vitt`s Limčo e as bebidas ą base de Cola (Coca-Cola Plus, Dolly Cola, Coca-Cola, Coca-Cola Zero e Pepsi Light) apresentaram pH significativamente mais baixo do que os demais (Convenćčo Abacaxi, Pepsi Ligth Plus, Fanta Laranja Zero, Convenćčo Uva, Guaraná Antártica Zero, Guaraná Kuat Zero, Guaraná Antártica, Fanta Uva, Fanta Uva Zero e Fanta Laranja). Esse resultado vai de acordo com dados da literatura 8, 9, 12.

A acidez dos refrigerantes ą base de cola já havia sido destacada por Jendosttir et al.13, que atribuíram maior potencial erosivo a estas bebidas quando comparadas a outros refrigerantes. Para uma melhor compreensčo das diferenćas entre os refrigerantes estudados, é importante discorrer sobre o tipo de acidulante adicionado aos mesmos.

Acidulantes sčo substČncias adicionadas a alimentos e bebidas a fim de intensificar o seu gosto ácido (azedo), o que realća o seu paladar, dando um sabor refrescante. Eles também regulam a doćura do aćúcar e, por baixar o pH da bebida, inibem a proliferaćčo de microorganismos, atuando como conservantes. Na escolha do acidulante, o fator mais importante é a capacidade de realćar o sabor em questčo14.

Os principais ácidos utilizados como acidulantes sčo: o ácido cítrico (conhecido como INS330) e tartárico (INS334), que sčo orgČnicos, e o ácido fosfórico (INS338), que é inorgČnico. A esses alimentos também é comum se adicionar sais contendo os Čnions desses ácidos, a fim de formar-se um sistema tampčo, capaz de evitar variaćões bruscas de pH no meio. O sistema tampčo é composto de um ácido fraco e sua base conjugada (o Čnion em questčo) 10.

O ácido cítrico é utilizado na maioria dos refrigerantes e sucos industrializados, principalmente naqueles de sabor limčo, laranja e guaraná. Trata-se de um ácido fraco, tricarboxílico, podendo dissociar para o meio trźs íons hidrogźnio. Assim, ele possui trźs valores de pka: pka1 = 3,13; pka2 = 4,76; pka3 = 6,40. Isso resulta na presenća de trźs regiões de tamponamento distintas, respectivamente: entre pH 2,13 e 4,13; entre pH 3,76 e 5,76 e entre pH 5,40 e 7,40.

O ácido tartárico, também orgČnico, presente naturalmente nas uvas, é utilizado nas bebidas ą base de uva, como acidulante, e para dar a pigmentaćčo característica das mesmas. Ele pode doar ao meio dois íons hidrogźnio. Assim, ele possui dois valores de pka: pka1 = 2,98 e pka2 = 4,34, o que resulta na presenća de duas regiões de tamponamento distintas, respectivamente: entre pH 1,98 e 3,98 e entre pH 3,34 e 5,34.

Já o ácido fosfórico, adicionado aos refrigerantes ą base de cola, pode ser considerado semi-forte. Como também pode liberar trźs íons hidrogźnio para o meio, possui trźs valores de pka: pka1 = 2,15; pka2 = 7,20; pka3 = 12,35. Isso resulta na presenća de trźs regiões de tamponamento distintas, respectivamente: entre pH 1,15 e 3,15; entre pH 6,20 e 8,20; e entre pH 11,35 e 13,35.

Assim, como o ácido fosfórico é um dos mais fortes dentre os acidulantes adicionados ąs bebidas, possuindo um dos menores valores de pka (2,15), o que resulta em um menor pH, justifica-se o menor pH das bebidas ą base de cola. Entretanto esse argumento nčo é válido para os baixos valores de pH do refrigerante sabor limčo (Vitt’s Limčo), que deve conter ácido cítrico.

Jendosttir et al. (2006)13 acreditam que a erosčo dental depende exclusivamente do pH das bebidas, porém outros trabalhos sugerem que o nível de titrabilidade ácida é também muito importante na avaliaćčo do potencial erosivo de bebidas ácidas 4, 12.

Em relaćčo ą titrabilidade ácida, de uma maneira geral, os refrigerantes Fanta Uva, Fanta Uva Zero, Fanta Laranja, Fanta Laranja Zero, Guaraná Antártica, Guaraná Antártica Zero, Guaraná Kuat Zero e Pepsi Light Plus foram os que necessitaram de menos base para que se atingisse os valores de pH desejados. Já para o Vitt`s Limčo e a Coca-Cola Zero foram necessários uma quantidade maior de base. Para a Coca-Cola, Coca-Cola Plus, Pepsi Light e Dolly Cola foi preciso uma quantidade intermediária de base.

Especificamente para titrabilidade ácida a pH 4,5, verificou-se um tamponamento mais fácil das bebidas ą base de cola, o que se justifica pelo fato do ácido fosfórico, contido nas mesmas, nčo ser um bom tampčo em pH 4,5, como os ácidos cítrico e tartárico sčo. Já no pH 7,0, os dados obtidos sčo contraditórios com o esperado em funćčo dos acidulantes presentes nos refrigerantes. Esperava-se que os refrigerantes contendo ácido cítrico apresentassem a mesma grande dificuldade em serem tamponados, pelo fato de a adićčo de base ter que ser necessária para transpor a regičo de tamponamento em torno do pka3 do ácido cítrico (6,4). Entretanto o refrigerante Vitt’s Limčo foi um dos mais difíceis de ser tamponado, enquanto os demais contendo ácido cítrico foram tamponados com quantidade menor de base. É importante ressaltar que a composićčo dos refrigerantes é bastante variada, contendo muito mais ingredientes do que os acidulantes citados, com base no sabor dos mesmos. Assim, pode haver outras substČncias que tenham influenciado nos resultados obtidos.

Observou-se que nčo houve correlaćčo entre o pH inicial das bebidas e a quantidade de base adicionada para que se atingisse o pH 4,5. Já para atingir o pH 7,0, observou-se uma correlaćčo negativa e significativa com o pH da bebida, ou seja, quanto maior o pH, menor a quantidade de base necessária. E houve correlaćčo positiva significativa entre os valores de titrabilidade ácida para pH 4,5 e 7,0, ou seja, quanto maior a quantidade de base necessária para que se atingisse o pH 4,5, maior também para o pH 7,0. Dessa forma, nčo se pode estabelecer uma regra que demonstre que as bebidas com menor pH necessitam de mais base para que o pH se eleve, como ocorreu para Vitt`s Limčo e Coca-Cola Zero. Os refrigerantes Coca-Cola, Cola-Plus, Pepsi Light e Dolly Cola mesmo tendo o pH baixo, necessitaram de uma quantidade intermediária de base. Isso está coerente com o fato dessas bebidas possuírem em sua composićčo ácidos fracos diferentes, e consequentemente regiões de tamponamento distintas.

Finalmente, embora Willershausen & Schulz-Dobrick (2004)15 afirmam que nčo é possível avaliar totalmente em estudos in vitro o efeito das bebidas ácidas sobre os dentes, devido ao fato que muitos fatores influenciam o ambiente oral, tanto forma de ingestčo, tempo de ingestčo, condićões da saliva e seu efeito tampčo, os resultados encontrados demonstram o potencial erosivo dos refrigerantes testados e dificuldade em neutralizá-los. Sendo assim, é importante que o clínico  tenha o conhecimento desses dados para trabalhar na prevenćčo de lesões de erosčo dental com seus pacientes, visto que estudos mostram que o Brasil é o terceiro maior produtor de refrigerantes do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e México16. Além disso, de acordo com o Ministério da Saúde (2010)17 os refrigerantes e sucos artificiais participam ativamente da dieta do brasileiro. Ao todo, 76% dos adultos bebem esses produtos pelo menos uma vez na semana e 27,9%, cinco vezes ou mais na semana. O consumo regular, quase todo dia, aumentou 13,4% em um ano. Entre os mais jovens, de 18 a 24 anos, o índice é ainda maior, 42,1% bebem refrigerantes quase todos os dias e estčo sujeitos ao desenvolvimento de lesões de erosčo dental.

CONCLUSŐO

            Todos os refrigerantes avaliados possuíam pH abaixo do pH crítico para desmineralizaćčo dental, havendo diferenća nos valores de pH e titrabilidade ácida em funćčo de seu sabor.

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao PIBIC-UnG pela concessčo de bolsa de Iniciaćčo Científica a aluna Aline Verona.

REFERśNCIAS

1. Catelan A, Guedes APA, Santos PH. Erosčo Dental e Suas Implicaćões Sobre a Saúde Bucal. RFO 2010; 15(1):83-86.

2. Nóbrega DF, Valenca AMG, Santiago BM, Claudino LV, Lima AL, Vieira TI, Lira AM. Propriedades físico-químicas da dieta líquida gaseificada: um estudo in vitro. Rev Odontol UNESP. 2010; 39 2):69-74.

3. Aguiar FHB, Giovani EM, Monteiro FHL, Villalba, H, Sousa RS, Melo JAJ, Tortamano N. Erosčo dental- definićčo, etiologia e classificaćčo. Rev Inst Cien Saúde 2006; 24(1):47-51.

4. Farias MMAG, Tames DR, Ferreira R, Bahi FC, Morreto J. Propriedades erosivas de sucos de frutas industrializadas recomendados como suplemento alimentar para crianćas. JBPJ Bras Odontop Odontol Bebe. 2000; 3(12):111-7

5. Mangueira DFB, Passos IA, Oliveira AFB, Sampaio FC. Erosčo dental: etiologia, diagnóstico, prevalźncia e medidas preventivas. Arq em Odontol 2009; 45(4): 220-225.

6. Branco CA, Valdivia ADCM, Soares PBF, Fonseca RB, Fernandes Neto AJ, Soares CJ. Erosčo dental – diagnóstico e općões de tratamento. Rev de Odontol da UNESP. 2008; 37(3):235-242.

7. Randazzo AR, Armonino SAF, Santiago MO. Erosčo dental por influźncia da dieta – Revisčo de literatura e relato de caso clínico. Arq Bras de Odontol 2006; 2(1):10-6.

8. Sobral MA, Luz MAAC, Gama-Teixeira A, Garone Netto N. Influźncia da dieta líquida ácida no desenvolvimento da erosčo dental. Pesq Odontol Bras. 2000; 14:406-10.

9. Rodrigues JA, Lima-Arsati YBO, Vieira PLS, Tagata CS. Estudo do pH de bebidas consumidas pela sociedade brasileira. Rev Assoc Paul Cir Dent 2008; 62(2):106-2.

10. Nelson DL, Cox MM. Princípios de Bioquímica de Lehninger. 5.ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

11. Fejerskov O, Kidd E (eds). Dental caries – the disease and its clinical management. 2. ed. Oxford: Blackwell Munksgaard; 2008.

12. Bamise CT, Ogunbodede EO, Olusile AO, Eson TA. Erosive potential of soft drinks in Nigeria. World J of Med Sci. 2007; 2(2):115-119.

13. Jensdottir T,  Holbrook P, Nauntofte B, Buchwald C e Bardow A. Immediate Erosive Potential of Cola Drinks and Orange Juices. J Dent Res 2006; 85(3):226-30.

14. Lima ACS, Afonso JC. A Química do Refrigerante. Rev. Química Nova Escola. 2009; 31(3):210-5.

15. Willershausen B, Schulz-Dobrick B. In vitro study on dental erosion provoked by various beverages using electron probe microanalysis. Eur J of Med Res. 2004; 9:432-8.

16. Rosa SES, Cosenza JP, Lečo LTS. Panorama do setor de bebidas no Brasil. BNDES Setorial, 2006: 23:101-50.

17. Ministério da Saúde - http://portal.saude.gov.br  2010, acesso 25/01/2011.



* Aline Verona - Aluna de Graduaćčo em Odontologia da Universidade Guarulhos- UnG. e-mail: aline_verona@hotmail.com

** Alex Sandro Teixeira de Oliveira - Enfermeiro e Aluno de Graduaćčo em Odontologia da Universidade Guarulhos - UnG. e-mail: alex-sandro-3@hotmail.com

*** José Augusto Rodrigues – Mestre e Doutor em Clínica Odontológica- área de Dentística e Professor da Universidade Guarulhos - UnG. e-mail: jrodrigues@prof.ung.br

**** Ynara Bosco de Oliveira Lima-Arsati – Mestre em Odontologia área de Farmacologia, Anestesiologia e Terapźutica, Doutora em Odontologia area de Cariologia, Professora da Universidade Federal de Feira de Santana – UFFS. e-mail: ynaralima@yahoo.com



1) UnG - Universidade Guarulhos 2) Indexador: Latindex 3) Indexador: Dialnet