UTILIZAÇÃO DE ZEÓLITA COMERCIAL PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES SINTÉTICO E NATURAL CONTAMINADOS, VISANDO REMOÇÃO DE ÍONS Ag+ E Mn2+.

Autores

  • Pedro Henrique Leite Lustosa Henauth Centro universitário Maurício de Nassau
  • Ana Délia Santos da Silva Companhia Pernambucana de Saneamento
  • Isaías Barbosa Soares Centro Universitário Maurício de Nassau http://orcid.org/0000-0003-1252-5704

DOI:

https://doi.org/10.33947/2595-6264-v5n1-4742

Palavras-chave:

Adsorção, zeólita, metais pesados, tratamento de efluentes, contaminantes

Resumo

Devido ao crescimento das indústrias e da tecnologia desde a revolução industrial, ocorrida em meados do século XVIII, houve um enorme aumento na produção de resíduos, sejam eles sólidos, líquidos ou gasosos, gerando um problema em relação ao descarte incorreto dos efluentes. No Brasil, grandes quantidades de efluentes líquidos carregam em sua composição metais pesados que são produzidos e descartados diariamente sem nenhum tratamento apropriado, tornando-se um grande problema para os solos e para o meio ambiente em geral. Assim, torna-se necessário investir em alternativas de tratamento de efluentes líquidos para o correto descarte desses rejeitos. O objetivo do presente trabalho foi estudar a viabilidade do uso de zeólitas, que são rochas de formação natural, no tratamento de efluentes sintéticos, através do estudo do seu potencial de adsorção frente a metais pesados presentes em alguns tipos de efluentes contaminados. Para isso, foi criado um efluente sintético rico em íons prata (Ag+) e estudou-se sua adsorção em um tipo de zeólita comercial, bem como foi aplicado este mesmo tipo de material para estudar a adsorção de íons manganês (Mn2+) em um efluente natural proveniente de um manancial. Separadamente, os efluentes foram colocados em contato com a zeólita e submetidos à uma agitação de 120 rotações por minuto em um agitador magnético, a diferentes temperaturas (temperatura ambiente de 25°C  e 70°C) durante 2 horas. Os resultados indicaram uma eficiência de remoção de íons Ag+ de 34,99% e 54,46% para as temperaturas ambiente e 70°C, respectivamente e, para os íons Mn2+, de 40,00% e 81,31% para as mesmas respectivas temperaturas, mostrando que a zeólita comercial estudada possui uma eficiente capacidade de adsorção desses metais com potencial aplicação nas estações de tratamento de efluentes. 

Referências

Ambrósio, N.;Bernardi, J.L.;Dallago,R.;Mignoni,M.L. (2021); Remoção de metais pesados de efluentes utilizando Líquidos Iônicos: uma Revisão. Brazilian Journal of Development,v.7,n.5, p.50189-50209.

Dezzoti, M. (2008). Processos e Técnicas para o Controle Ambiental de Efluentes Líquidos. COPPE/UFRJ-1ª ed. Editora E-Papers.

Ferret, L. S.(2004). Zeólitas de cinzas de carvão: Síntese e uso. 139f. Tese Doutorado - Ministério da educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de engenharia, Porto Alegre;

Fialho, F.L.; Valduga, D.M.; Kautzmann, R.M.(2018). Caracterização de rocha com Zeólita para tratamento de Efluente de Aterro Sanitário. SEFIC, 22-27 de outubro.

Flanigen, E. M; Jansen, J. C. (Org.) (2001). Introduction to zeolite science and practice, Vol. 58, New York: Elsevier. Cap. 2, p. 11-35;

Macena, M.W. (2021). Análise do potencial de adsorção de íons metálicos em solução aquosa por resíduos lenhocelulósicos.71f. Dissertação.Mestrado em Tecnologias Ambientais, Instituto Politécnico de Viseu, Portugal.

Neves, L; Maria, P.(2011). Ciência para todos - Viajando com o meio ambiente, UFMG. Disponível em: <https://www.ufmg.br/cienciaparatodos/wp-content/uploads/2012/08/e5_15-lixoummodernoproblemaantigo.pdf>. Acesso em 03 de março, 2021;

Downloads

Publicado

2021-11-05

Edição

Seção

ARTIGOS